Questo articolo è disponibile anche in: Português Italiano Inglês

Pergunta

Olá Padre

Queria perguntar-lhe se é possível que alguns dos nossos erros, que nos afastam da comunhão com o Senhor, possam ser refletidos nos outros.


Resposta do sacerdote

Caríssimo,

1. Sim, isso é evidente na Sagrada Escritura.

O pecado de Adão foi refletido em toda a humanidade, que carrega as consequências.

Além disso, o pecado abre uma brecha para nosso adversário. No livro de Jó, Satanás acusa Deus de não ter poder negativo sobre Jó porque Deus tinha colocado uma muralha ao seu redor (Jó 1,10). Essa muralha é um símbolo de graça.

Quando nos privamos da graça, abrimos a porta para nosso adversário que “não vem senão para furtar, matar e destruir” (Jo 10,10).

2. Agora, de várias maneiras, aqueles que nos são próximos podem sentir essa devastação provocada pelo diabo.

Às vezes é visto de uma forma tangível e externa, como naqueles que perdem seu dinheiro no jogo e jogam sua família na miséria.

Ou para aqueles que acabam na prisão por causa de uma grave injustiça e assim toda a sua família é atingida pela vergonha e pela desonra.

Às vezes, o nosso pecado, ao causar nervosismo ou deixar intratável quem o comete, também faz com que outros que devem suportá-lo paguem a penalidade.

3. Há outro aspecto da reflexão de nossos pecados destacado por João Paulo II na Reconciliatio et paenitentia quando ele fala de pecado social.

É um reflexo invisível, mas real.

Esse santo Papa diz que devemos “reconhecer que, em virtude de uma solidariedade humana tão misteriosa e imperceptível quanto real e concreta, o pecado de cada um afeta os outros de alguma forma“. Esse é o outro lado da solidariedade que, em nível religioso, se desenvolve no profundo e magnífico mistério da comunhão dos santos, graças ao qual se pode dizer que “toda alma que se eleva, também eleva o mundo” (Elisabeth Leseur).

Infelizmente, a essa lei de ascensão corresponde a lei de descida, de modo que se pode falar de uma comunhão no pecado pela qual uma alma que se rebaixa pelo pecado rebaixa com ela a Igreja e, de alguma forma, o mundo inteiro.

Em outras palavras, não há pecado, mesmo o mais íntimo e secreto, o mais estritamente individual, que afete apenas aquele que o comete.

Todo pecado tem repercussões, com maior ou menor veemência, com maior ou menor dano, em toda a estrutura eclesial e em toda a família humana.

De acordo com esse (primeiro) significado, a cada pecado pode, sem dúvida, ser atribuído o caráter de um pecado social” (RP 17).

4. Também pode acontecer que o pecado cometido seja tão grave que cause uma profunda privação de graça fazendo que outros também sejam afetados.

Por exemplo: o pecado do rei que ordenou o extermínio dos bebês hebreus machos terá uma reflexão negativa sobre todo o povo: a morte de todos os filhos primogênitos dos egípcios.

O rei, privando-se da graça, também privou de defesa o povo que lhe obedecera.

Somente as parteiras que fizeram objeção de consciência foram poupadas (Êx 1,17.21).

5. Assim também Davi, devido ao grave pecado que havia cometido (cf. II Sam 12,9), privou sua casa da bênção divina e a abriu para as incursões do adversário comum.

Esse é o significado do que lemos: “Todavia, como desprezaste o Senhor com essa ação, morrerá o filho que te nasceu” (II Sam 12,14).

6. Não é uma questão de colocar em jogo o castigo de Deus. Essa linguagem, embora presente na Sagrada Escritura, é sempre uma linguagem antropomórfica. E, portanto, deve ser traduzida.

A realidade, portanto, é a seguinte: o homem é sempre o autor de seus próprios males, de forma direta ou indireta.

Ele é a causa indireta quando, pelo pecado, se abre para a devastação de Satanás.

7. No entanto, é verdade que, precisamente para contrariar a ação de Satanás, apesar de nossa solicitude em abrir-lhe a porta, Deus envia a ajuda dos Anjos e em particular do Anjo da Guarda para nos defender e nos proteger.

Mas às vezes o homem não aceita, de fato, ele rejeita a ajuda que vem do céu. Subtraindo-se da graça, ele permanece indefeso para si mesmo e para os outros. E, com grande insensatez, prefere inadvertidamente entregar-se a seu inimigo, que só vem “para furtar, matar e destruir” (Jo 10,10).

Com o desejo de que estejas sempre protegido pela muralha que protegeu Jó (Jó 1,10), asseguro-te minhas orações e te abençoo.

Padre Angelo