Questo articolo è disponibile anche in: Italiano Inglês Português

Pergunta

Olá,

sou um jovem de 20 anos e fiquei impressionado com suas respostas e compromisso e o parabenizo.

Tenho várias perguntas a lhe fazer, mas primeiro quero lhe perguntar sobre algo que está me incomodando nesse momento … Estou me aproximando da fé cristã há vários meses e tento não cometer pecados, mas nem sempre é fácil, mas isso se sabe.

Informando-me sobre os tipos de pecado e etc., aprendi que para cometer pecados é preciso estar consciente e agir de própria vontade. Estou aliviado porque sei que não pequei todos estes anos passados, mas agora é diferente … então me pergunto (talvez com alguma inveja), não seria melhor permanecer ignorante para não pecar? Eu me esforço e tenho que fazer algumas renúncias e então eu sou mais pecador do que pessoas que não pensavam nada sobre a fé durante sua juventude?

A ideia do inferno me assusta, mas do jeito que vejo agora nunca poderei evitar de cometer pecados … e sim, sei que com a confissão serei perdoado, mas há muitas dúvidas que me atormentam, por exemplo, acho que cometerei pecados (aos quais acho que não posso resistir) e para me dar um pouco de conforto acho que eles serão perdoados se me arrepender (o que sei que está errado).

Ou então acho que se eu não me lembrar de todos os meus pecados, não receberei perdão, etc.

O fato é que quanto mais me aproximo da fé, mais aprendo sobre coisas novas e não sei se são boas para mim ou não … Penso que viver na ignorância facilitaria as coisas para mim, mas tenho medo de que isso também seja um pecado (e então me sinto feliz em viver na fé, me sinto uma pessoa melhor e gostaria de aumentar cada vez mais esse sentimento).

Há alguns pecados que eu me sinto feliz por não fazer, tais como masturbação, blasfêmia e outras coisas que eu costumava fazer e agora eu me comprometo a não fazer. Nisso estou feliz e sei que se eu tiver que cometê-los novamente eu me arrependerei verdadeiramente e me comprometerei novamente a evitá-los.

Mas então eu penso, por exemplo, em ter relações sexuais antes do casamento com uma garota que eu realmente gosto e por quem tenho grande consideração … eu sei que é errado … mas agora eu já sei que não poderei resistir, tanto pela minha vontade como pela dela … talvez ela seja uma brava pessoa que vive nessa IGNORÂNCIA e com distância da fé por enquanto (e tenho certeza que não consigo convencê-la de que não se deve ter relações pré-matrimoniais) e essa ideia de estar consciente de que eu posso pecar no futuro me atormenta e eu não sei como melhorar a situação.

Agradeço antecipadamente pela sua ajuda.


Resposta do sacerdote

Caríssimo,

1. é verdade o que disseste, ou seja, que para cometer um pecado é necessário ter plena consciência da mente e consentimento deliberado da vontade.

Entretanto, se alguém comete ações que objetivamente são pecados graves, mas não sabe que são pecados, sofrerá igualmente os efeitos negativos – ainda que não lhe sejam imputáveis como culpa e punição.

Beber veneno pensando que é um bom licor faz com que se morra da mesma forma.

Igualmente nossos pecados não prejudicam a Deus, mas sempre e somente aquele que os comete.

É por isso que a Sagrada Escritura diz que quem peca: “sofrerá prejuízo e será tido como pecador contra si mesmo” (Eclo 19,4).

João Paulo II afirma que o pecado é sempre “um ato suicida” (Reconciliatio et Paenitentia 15).

E ainda: “Como ato da pessoa, o pecado tem suas primeiras e mais importantes consequências sobre o próprio pecador: isto é, na relação do pecador com Deus, que é o próprio fundamento da vida humana; em seu espírito, enfraquecendo sua vontade e obscurecendo sua inteligência” (RP 16), e assim, ofendendo gravemente a Deus, “termina voltando-se contra o próprio homem, com uma força destrutiva escura e poderosa” (RP 17).

2. Com relação a um exemplo que mencionaste: “a masturbação é um ato de puro egoísmo”, como disse o Padre Gasparino.

Assim é e continua sendo mesmo se não se sabe que é um pecado.

3. Da mesma forma, para o preceito de manter santos os dias de festa: muitos não sabem que não ir à missa é um pecado grave.

Mas não ir à missa não pode deixar de ter efeitos negativos na própria vida: se é privado daquela bênção que Deus prometeu para aquele dia desde o alvorecer da criação: “Ele abençoou o sétimo dia e o consagrou” (Gên 2,3).

A bênção é uma efusão de presentes. Ao mesmo tempo, preserva-os.

Além disso, não indo à Missa, a pessoa fica privada da presença de Jesus ressuscitado, que se faz presente de várias maneiras na Igreja ali reunida: na assembleia santa, no sacerdote, na audição da Palavra e sob as aparências do pão e do vinho.

Sua presença é sempre uma presença que comunica graça, paz, alegria e mantém os demônios longe de nós.

Não ir à missa é o mesmo que privar-nos desses bens sobrenaturais e deixar a porta aberta para nosso adversário.

Isso acontece mesmo que não se saiba que não santificar os dias de festa constitui um pecado grave. Em qualquer caso, danifica-se a si mesmo.

4. O mesmo pode ser dito de qualquer outro pecado, pelo qual nunca se ganha, enquanto se perde muito e se expõe a perder tudo.

5. Mas há uma declaração no teu e-mail, colocada quase de passagem, que é interessante.

Entre parênteses atestas esta bela experiência: “(e então me sinto feliz em viver na fé, me sinto uma pessoa melhor e gostaria de aumentar cada vez mais esse sentimento)”.

Viver pela fé é o mesmo que começar a colocar nossos lábios nessa realidade que será nossa eterna bem-aventurança.

É por isso que a vida de fé, se for autêntica, é sempre beatificante e comunicativa de alegria. E faz sentir o desejo de aumentá-la.

6. Pois bem, precisamente esse desejo de aumentar a fé torna-se a razão pela qual o cristão é otimista quanto ao seu futuro.

Ele sabe que haverá tentação para pecar.

Mas não encara essas tentações como uma pessoa vazia e sem recursos.

Se cresceu na fé, sabe que possui um recurso interno que é mais forte do que as próprias tentações.

Este recurso interior é a graça, que é como um fogo que se carrega dentro de si mesmo.

Assim, facilmente se experimenta o quanto a afirmação de Jesus Cristo corresponde à realidade: “No mundo haveis de ter aflições. Coragem! Eu venci o mundo” (Jo 16,33).

7. Portanto, no que diz respeito ao teu futuro, se cresceres na vida de fé, sentirás que o desejo de permanecer casto e unido a Deus será mais forte e mais eficaz do que a tentação oposta.

Para que isso se realize na tua vida, eu te acompanho de bom grado em oração e te abençoo.

Padre Angelo