Prezado Padre Angelo,

Me chamo …, moro em … e tenho 22 anos de idade. (Gostaria de permanecer anônima, se possível). Sigo esporadicamente sua coluna, mas, ultimamente, tenho uma questão fundamental na minha vida à qual gostaria de dar uma resposta. Por isso decidi lhe escrever esperando aplacar um pouco as minhas incertezas.

Ao longo dos meus 22 anos nunca pratiquei muito, não acreditava em nada e nunca foi um problema real para mim ter relações sexuais ou fazer tudo o que tinha vontade, porque eu não tinha um objetivo real na vida e tudo era muito incerto e confuso. Durante minha vida, não tomei nenhuma decisão brilhante, pelo menos no passado, e fiz algumas coisas horríveis das quais me arrependo.

Tudo isso mudou radicalmente porque reencontrei, depois de muitos anos, um velho amigo, do qual havia me distanciado por uns cinco anos por causa de minhas más escolhas, mencionadas anteriormente.

Chocou-me como, mesmo depois de todo esse tempo e das coisas ruins que eu havia feito, ele tenha me recebido em sua vida, sem o menor julgamento da minha pessoa.

Ele é muito religioso e quando nos reencontramos eu fiquei muito curiosa sobre a sua fé, sua convicção cega e consciente em relação à igreja e à sua crença e rapidamente nossa amizade se transformou em amor.

Ambos desiludidos com o nosso relacionamento, basicamente por causa das experiências ruins no passado, percebemos cedo que se tratava de um vínculo pretendido por alguém maior do que nós. Foi aqui que começou a minha conversão … vamos juntos à missa, rezamos juntos, nossa relação que se baseia na fidelidade recíproca, na confiança e na castidade pré-matrimonial (tudo o que eu nunca teria pensado por mim até este momento). Tudo está indo bem.

Todavia, nos últimos meses, surgiram alguns problemas. Meu namorado, desde que nos reencontramos há um ano e meio, sempre teve uma inquietação interior que o torna infeliz com tudo, nunca fica totalmente contente com o que lhe acontece e nem mesmo comigo. Ele está constantemente insatisfeito, sofre e eu me sinto impotente. No início, me senti muito mal com isso, mas depois percebi que não podia pretender ser a resposta para a sua infelicidade e comecei a ajudá-lo como podia para fazê-lo estar bem, apesar dessa sua necessidade, mas não foi suficiente.

Já faz alguns meses que a sua inquietação vem se tornando sempre mais forte e temos falado de vocação. Sua infelicidade se deve ao fato de que ele não sabe qual é o seu lugar no mundo e por isso se sente infeliz, mas, acima de tudo, não consegue entender qual é a vontade de Deus, o que Deus quer que ele faça. Ele não sabe se sua vocação é para o casamento (e, portanto, obviamente, para estar comigo) ou para outra coisa, algo maior.

No início eu estava muito assustada com tudo isso, mas agora cheguei à conclusão de que, o que quer que seja melhor para ele, mesmo que eu não esteja incluída nos planos, é certamente o que eu quero para ele e eu o aceitarei com alegria. No entanto, tenho um pouco de medo. Sou convencida desta relação, por todas as coisas bonitas que me aconteceram. Meu encontro com Cristo e a beleza que vislumbro todos os dias são também graças a ele. Finalmente dei uma imagem terrena a algo que antes eu recusava porque para mim não era muito concreto, mas isso não acontece com linearidade e clareza também para meu namorado, o que para mim é inexplicável. Compreendi que minha vocação é o casamento, a família e se eu pensar nisso, obviamente penso que gostaria de tê-la com ele, por todas as razões que acabei de expor. Ele não quer me deixar porque diz que eu sou a coisa mais verdadeira que já lhe aconteceu e que sem mim não é possível para ele colocar concretamente em prática nem mesmo sua vida religiosa. Muitas coisas ruins que ele costumava fazer, desde que faço parte de sua vida, deixou de fazê-las. Nós também ajudamos muito um ao outro rezando juntos e tendo um diálogo realmente muito bonito. Então, como compreender se a vocação é estar com uma certa pessoa? Quando se entende que um relacionamento é a vontade de Deus? E como posso ser verdadeiramente útil para mostrar isso ao meu namorado e ajudá-lo a entender qual é o seu caminho?

Agradeço antecipadamente, espero que o senhor possa me dar clareza. Rezarei pelo senhor e gostaria que fizesse o mesmo por nós.

Um abraço sincero


Caríssima,

1. infelizmente já se passaram vários meses desde que me escreveste.

Provavelmente teu relacionamento terá recebido luz e talvez nesse ínterim tenhas amadurecido nas tuas decisões.

Enquanto isso, estou satisfeito com o que o Senhor fez em ti.

Descreveste muito bem tua situação anterior, que infelizmente é semelhante à de muitas outras jovens.

Com sinceridade dizes que “nunca foi um problema real para mim ter relações sexuais ou fazer tudo o que tinha vontade, porque eu não tinha um objetivo real na vida e tudo era muito incerto e confuso “.

Quando se coloca Deus de lado, não resta outro objetivo senão se entregar ao divertimento, desperdiçando e profanando uma infinidade de bens e valores os quais só mais tarde se percebe o quanto eram preciosos.

2. Respondo-te hoje, 29 de julho, festa de Santa Marta, irmã de Maria de Betânia, que uma longa tradição (por nada infundada) se identifica com Maria Madalena.

Maria Madalena também se entregou a várias pessoas de sua classe bastante elevada.

Ela tinha se tornado obcecada por sexo.

Mas o pior é que ela tinha sido acorrentada pela presença de sete demônios. Uma situação que era humanamente impossível de se liberar.

Um dia, o Senhor passou por ela. Seu olhar a penetrou e a iluminou até as profundezas do seu ser.

Desde aquele momento ela começou a sentir repugnância por sua vida anterior e atração pelas realidades que Cristo veio trazer aos homens: os bens do céu.

Uma vida de tal pureza começou para ela que, de acordo com Santo Agostinho, em relação à Nossa Senhora ela se tornou apenas a segunda colocada.

3. Uma coisa semelhante aconteceu contigo: o Senhor passou por ti através do rosto de um jovem que possuía Jesus Cristo dentro de si mesmo.

Este jovem, ou melhor, aquele que habitava neste jovem, transformou-te.

E ele te mudou de alguma forma, assim como o Senhor mudou Maria Madalena.

Acho que nunca poderás esquecer esse momento. Era Cristo passando e, como disse Santo Agostinho, exalava Sua fragrância sobre ti. Tu a respiraste e eis que te viu indo atrás Dele.

Através do que se tornou teu namorado, encontraste Cristo, o tesouro escondido no campo. Neste caso, o campo era o coração do teu namorado.

4. Assim começaste uma nova vida: “vamos juntos à missa, rezamos juntos, nossa relação que se baseia na fidelidade recíproca, na confiança e na castidade pré-matrimonial (tudo o que eu nunca teria pensado por mim até este momento). Tudo está indo bem”.

Sim, não poderia ser de outra forma: “Tudo está indo bem”.

Antes, não achavas que Cristo pudesse te mudar tão radicalmente. Muito provavelmente Ele era quase insignificante para a tua vida.

Agora, no entanto, entendeste quem é Jesus. Compreendeste através do que Ele fez em ti: “Eu sou a ressurreição e a vida”, como Ele mesmo disse à Marta (Jo 11,25).

5. Mas agora surgiu um novo problema: aquele pelo qual está passando teu namorado.

Entendo a tua inquietude.

De certa forma, é a razão subjacente à inquietação de todos os homens, porque o nosso coração tem sede de infinito e, por fim, pode ser saciada apenas por Deus.

Muitos não percebem isso e buscam nas coisas e nas pessoas o que elas não podem dar.

Foi isto que Santo Agostinho reconheceu quando escreveu aquelas palavras que se tornaram famosas: “Tu nos fizeste para Ti e o nosso coração permanece inquieto enquanto em Ti não repousar”. (Et inquietum est cor nostrum donec requiescat in te, Confissões, 1, 1).

6. O mais belo sinal de que amas este rapaz é dado pelas palavras que escreveste: “No início eu estava muito assustada com tudo isso, mas agora cheguei à conclusão de que, o que quer que seja melhor para ele, mesmo que eu não esteja incluída nos planos, é certamente o que eu quero para ele e eu o aceitarei com alegria”.

Creio que o Senhor terá apreciado muito esses teus sentimentos.

E pode ser que depois de ter te testado e ter visto que amadureceste um amor ainda maior e ainda mais puro por ele, o Senhor tenha ficado satisfeito com a disposição do teu coração e tenha restituído teu namorado para sempre.

7. Mas mesmo que teu namorado escolha o caminho do sacerdócio, esse futuro sacerdote, num certo aspecto, será teu, o que o Senhor te pediu e que, generosamente, deste-Lhe.

8. Resta verificar se se trata de uma chamada autêntica.

É o chamado discernimento vocacional.

E isto só ele pode fazer junto com seu confessor ou diretor espiritual.

Acompanha-o com a tua oração.

Reforça a tua oração com algum pequeno sacrifício para que o Senhor possa fazer clareza na tua vida.

Tudo isso com a certeza de que seu bem será também o teu bem, pelo qual, de qualquer maneira, agradecerás ao Senhor eternamente.

À tua oração, humildemente, acrescento a minha.

Lembrarei de vocês também nas próximas missas que celebrarei.

Desejo-lhes tudo de bom e os abençoo.

Padre Angelo

Questo articolo è disponibile anche in: Italiano Inglês Espanhol Francês Alemão Português