Prezado padre Angelo,
Escrevo-lhe para pedir ajuda porque estou realmente desesperado.
Até agora ainda não conheci nenhuma jovem verdadeiramente católica que deseje uma verdadeira família católica, um bom marido, muitos filhos para criar e educar de forma sagrada.
Cansei, agora estou zangado, nervoso, parei de ir à missa todos os dias e de fazer muitas devoções.
No entanto, o que há de mais bonito que as crianças? De orar em família? Da educação católica? Da caridade, isto é, de sacrificar-se pelos outros todos os dias e edificar-se espiritualmente de modo recíproco com o propósito da salvação eterna? Algo para além dos sentimentalismos, paixões, atrações e copulações. Porque, logicamente, é melhor não falar sobre coisas ultrapassadas como modéstia, pudor e castidade!
E qual é a coisa pior? Que tantos sacerdotes, ao invés de guiarem corretamente à escolha racional do companheiro e da companheira de vida santa, os incentivem a seguir os sentimentalismos, a carne, as atrações, a irracionalidade, a acompanhar-se com as pessoas do mundo! E depois não se espera que haja tantos divórcios, feminicídios, ateísmo dos filhos, etc. Mas o que estão ensinando nos seminários hoje? A ler romances açucarados?

Desculpe o desabafo, mas realmente, estou exausto, desencorajado e desesperado.
Obrigado


Prezado,
1. você me escreveu este e-mail depois do que ouviu no domingo passado na segunda leitura (20° domingo do tempo comum – Ano c):

“Estando nós rodeados de tão grande número de testemunhas, ponhamos de parte todo o fardo e pecado que nos cerca e corramos com perseverança para o combate que se apresenta diante de nós, fixando os olhos em Jesus, guia da nossa fé e autor da sua perfeição.

Renunciando à alegria que tinha ao seu alcance, Ele suportou a cruz, desprezando a sua ignomínia, e está sentado à direita do trono de Deus.

Pensai n’Aquele que suportou contra Si tão grande hostilidade da parte dos pecadores, para não vos deixardes abater pelo desânimo. Vós ainda não resististes até ao sangue, na luta contra o pecado” (Heb 12,1-4).

O Senhor lhe falou, pediu que corresse, não que andasse ou, pior ainda, que ficasse parado.
Ele lhe pediu para que se sentisse como um atleta cercado por uma multidão de testemunhas, espectadores, que estão torcendo por você e que lhe dizem: “Se nós conseguimos, por que você também não vi conseguir? Coragem, continue a correr, garantimos o nosso apoio ”.

2. Você parou de ir à missa todos os dias.

Você não obteve nenhum ganho com isso, nem fez o mundo ganhar coisa alguma.
Você pode refutar: a luta está ficando mais difícil, não há resultados, é inútil.

No Evangelho, porém, lemos que Jesus, no horto das oliveiras, “estando angustiado, ele orou ainda mais intensamente; e o seu suor era como gotas de sangue que caíam no chão.” (Lucas 22:44).

Se você quer seguir Jesus Cristo e fazer algo para tornar o mundo melhor, não desista, mas comprometa-se e ore com ainda mais intensidade.

3. A situação que descreveu corresponde perfeitamente à realidade, exceto o que disse sobre os Seminários, porque se um sacerdote faz declarações estranhas, não se pode dizer que a culpa é do Seminário.

Bem, o que você pode fazer para tornar o mundo melhor? Evidentemente, o oposto de ser um desistente.

4. Ao ir à missa todos os dias, você atrai um mar de graças ao mundo.

E você aprende não tanto a pedir ao Senhor que o faça morrer logo na graça de Deus para escapar deste mundo, mas a se sacrificar pela humanidade de hoje, para que ela possa mudar e melhorar.
Você também na Missa, dia após dia, aprende a fazer o que Jesus Cristo fez, que voluntariamente se ofereceu à sua paixão, assumiu a sua vida, deu graças ao Pai pelo dom que lhe tinha dado, partiu-a dando-a a todos e disse: peguem e comam todos porque vocês receberão vida e força deste meu dom.

5. Portanto, recomece a ir à missa, mas com um novo espírito, com o desejo de se imolar com Cristo, independentemente do ganho pessoal.

Vá “pro mundi vita” (pela vida do mundo), como disse o Senhor: “o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo.” (João 6:51).

6. Depois da missa, viva o seu dia como um ato contínuo de amor oferecido ao Senhor para que o mundo se transforme e seja salvo.

Aproveite todas as oportunidades para oferecer algo ao Senhor não só para que faça você encontrar uma moça de acordo com o seu coração para formar uma autêntica família cristã, mas também para que as moças de hoje encontrem alguém que as faça crescer conforme o coração de Cristo.

7. Também retome as devoções, especialmente a do Santo Rosário diário.

São Vicente de Paulo disse que “depois da Missa, a devoção ao Rosário trouxe mais graças às almas do que todas as outras devoções, e com as suas Ave-Marias realiza mais milagres do que qualquer outra oração”.

Espero que esta oração também possa realizá-los em sua vida.

Acompanho-o com minhas orações e o abençoo.

Padre Angelo

Questo articolo è disponibile anche in: Italiano Inglês Espanhol Francês Alemão Português