Questo articolo è disponibile in: Italiano Inglês Português

Pergunta

Bom dia, Padre Angelo,

Eu sou cercada por pessoas (amigos ou conhecidos, até mesmo católicos praticantes, ou ainda pessoas que conheço “por acaso”) atraídas pelos assim chamados “caminhos orientais” (ou que até mesmo acabaram aderindo).

Por esta razão gostaria de dar, segundo as minhas possibilidades, uma pequena contribuição pessoal, para que ela possa ser usada em seu belíssimo site (se a considerar útil, obviamente).

1. Sugiro procurar no Google o testemunho de Claudia Koll em Malta (disponível apenas em língua italiana). Trata-se de um belíssimo e tocante testemunho da conversão desta atriz, que também menciona (no início) os efeitos deletérios da “meditação transcendental”. Dura pouco mais de meia hora, mas vale realmente a pena ouvi-lo com calma porque tocará os corações e trará benefício.

2. A ioga não é uma “ginástica inofensiva”, caso contrário se faria a ginástica postural … É uma prática da religião hindu que tem como objetivo portar a um estado de consciência alterado. Se você quiser se relaxar, pode muito bem praticar um esporte, fazer algum exercício, dar uma boa caminhada.

3. O Reiki é muito perigoso, pois é um verdadeiro caminho esotérico em etapas (obviamente isto não é dito no início e é apresentado como um “caminho de cura para si mesmo e para outras pessoas”! Lembremo-nos que a cura acontece somente pela obra de Deus!!). Conheço pessoas que se sentiram atraídas pelo Reiki e uma, em particular, que tinha ido muito adiante. Durante uma viagem que ela fez a Jerusalém, “para fins esotéricos”, sentiu claramente dentro de si a inspiração que deveria se desligar. Depois de um percurso de afastamento que não foi fácil e que lhe custou muitos problemas (o demônio apresentou … a conta), ela agora é uma terciária franciscana. Deus seja louvado!

4. Durante uma viagem de trem para Liguria, alguns anos atrás, conheci uma jovem senhora de Sanremo que tinha ido a uma missa de libertação em Parma. Esta senhora havia praticado durante anos uma prática da qual não me lembro do nome, mas semelhante ao “channeling”. Estava vivendo os danos sobre a própria pele e precisava de uma vida sacramental forte, bênçãos, jejuns. Fiquei impressionada com suas palavras, porque ela me disse que é necessário um trabalho forte e incisivo por parte da Igreja e de seus membros para educar e evangelizar neste sentido! Nossos irmãos e irmãs evangélicos são muito bons nisso, e a dedicação deles certamente deve ser reconhecida como obra inspirada de Deus.

5. Em junho de 2010 fiz uma viagem à Medjugorie. Dividi o quarto com uma senhora que havia praticado pranoterapia (imposição das mãos). Lembro-me que ela me disse que, quando a praticava, se dava conta do seu “amor pelo poder”.

Gostaria de concluir dizendo que estamos vivendo uma “época de contos de fadas”, para citar São Paulo …

Nossa salvação é somente Jesus e no Evangelho e na Sagrada Escritura encontramos tudo aquilo que precisamos!

Amanhã começará a Quaresma ambrosiana; espero que esta minha pequena contribuição possa ter sido útil a alguém.

Desejo tudo de bom a todos

Paola


Resposta do sacerdote

1. Obrigado, querida Paola, pelas informações.

Acredito que serão apreciadas pelos nossos visitantes.

Como mínimo, servem a suscitar algumas interrogações e concluir que é melhor percorrer caminhos mais seguros.

2.  Apropriadamente faz referimento ao que São Paulo escreve a Timóteo: “Porque virá tempo em que os homens já não suportarão a sã doutrina da salvação. Levados pelas próprias paixões e pelo prurido de escutar novidades, ajustarão mestres para si. Apartarão os ouvidos da verdade e se atirarão às fábulas.” (II Tim 4,3-4)

3. Com relação à sã doutrina, São Tomás recorda o que se lê em Provérbios 8,8 com referência à doutrina de Cristo: “Todas as palavras de minha boca são justas, nelas nada há de falso nem de tortuoso.”

É preciso se perguntar: por que ir atrás de mestres alternativos ao invés de Jesus, que é o Mestre divino?

Em uma bênção dada em nome de Deus há mais poder do que em todas as outras práticas que são apenas práticas humanas e que, no melhor dos casos, não podem comunicar nenhum outro poder além do poder humano.

4. Com relação a desviar-se às fábulas, São Tomás comenta: “A fábula é composta de coisas maravilhosas nas quais falta a verdade.”

Há quem fale em ioga cristã.

Mas um sinal da cruz bem feito quanta graça de Deus atrai sobre uma pessoa!

Quantos demônios e quantos espíritos malignos ele afasta e mantém afastado.

Sobre a ioga cristã indico uma resposta publicada em nosso site vários anos atrás Se a ioga é uma religião ou apenas uma disciplina e se um cristão

5. Sobre as outras práticas acenadas, devo dizer que se corre sérios perigos.

Eu me lembro desta experiência pessoal.

Estive à beira do leito de uma pessoa gravemente doente que, após duas semanas, veio a falecer de câncer.

Eu não sabia que, antes de mim, tinha estado ali uma mulher que havia praticado Reiki sobre o doente.

Três horas após minha visita, aquela mulher voltou ao homem doente e, para espanto dos presentes, disse indignada: um padre passou por aqui.

Eu tinha levado os sacramentos da Igreja ao jovem doente.

Durante a celebração, a presença do Senhor foi sentida forte, acompanhada por uma grande paz e serenidade.

Eu não fiz nada em particular. Simplesmente celebrei os ritos indicados pela Igreja.

Aquela mulher, ao invés disso, sentiu que um padre havia passado por ali e neutralizado os seus “benefícios”.

Foi a primeira vez que ouvi falar de Reiki.

A indignação daquela mulher que de maneira alguma me viu entrar e havia percebido que um padre tinha passado por ali foi particularmente eloquente para mim e para os parentes do doente.

Obrigado por me dar a ocasião de escrever estas coisas. Muitos visitantes ficarão gratos.

Lembro-te ao Senhor e te abençoo.

Padre Angelo