Prezado Padre Angelo,

Estou escrevendo para lhe pedir uma explicação de uma passagem do evangelho que me incomoda um pouco. Trata-se do evangelho de Lucas 13,23-30: por que Jesus afasta as pessoas que lhe dizem ter pregado em Seu nome?

O que significa entrar pela porta estreita?

Obrigado pelo seu serviço.

Abençoo-o.

Nicola


Prezado Nicola,

1. Para o benefício de nossos visitantes, reportei a passagem sobre a qual me fizeste duas perguntas: o que significa a porta estreita e por que o Senhor dirá a alguns que não os conhece.

“Alguém lhe perguntou: Senhor, são poucos os homens que se salvam?

Ele respondeu: Procurai entrar pela porta estreita; porque, digo-vos, muitos procurarão entrar e não o conseguirão.

Quando o pai de família tiver entrado e fechado a porta, e vós, de fora, começardes a bater à porta, dizendo: Senhor, Senhor, abre-nos, ele responderá: Digo-vos que não sei de onde sois.

Direis então: Comemos e bebemos contigo e tu ensinaste em nossas praças. Ele, porém, vos dirá: Não sei de onde sois; apartai-vos de mim todos vós que sois malfeitores. Ali haverá choro e ranger de dentes, quando virdes Abraão, Isaac, Jacó e todos os profetas no Reino de Deus, e vós serdes lançados para fora.

Virão do oriente e do ocidente, do norte e do sul, e sentar-se-ão à mesa no Reino de Deus.

Há últimos que serão os primeiros, e há primeiros que serão os últimos” (Lc 13, 23-30).

2. A porta estreita é aquela da qual João Batista fala quando diz: “Fazei, pois, uma conversão realmente frutuosa” (Lc 3,8).

É também aquela da qual nosso Senhor fala no início da sua pregação: “Fazei penitência, pois o Reino dos céus está próximo” (Mt 4,17).

E é também aquela repetida por Jesus quando, falando dos judeus massacrados por Pilatos e dos mortos sob os quais caiu a torre de Siloé, ele diz: “Mas se não vos arrependerdes, perecereis todos do mesmo modo” (Lc 13,3.5).

Em uma palavra, a porta estreita é a conversão.

3. Para compreender a importância da conversão, é útil lembrar que essa palavra, no texto grego (com o qual o Evangelho foi escrito), é apresentada como metanóia e no texto latino (o texto da Vulgata), como penitência.

4. A Bíblia de Jerusalém diz que: metanóia, mudança etimológica de sentimentos, designa uma renúncia ao pecado, um “arrependimento”.

Essa decepção, que conduz ao passado, é normalmente acompanhada por uma “conversão” (verbo grego epistrefein) pela qual o homem se volta para Deus e começa uma nova vida.

Estes dois aspectos complementares de um mesmo movimento da alma nem sempre se distinguem no vocabulário (cf. At 2,38; 3,19).

O arrependimento e a conversão são condições necessárias para receber a salvação trazida pelo Reino de Deus.

O convite ao arrependimento lançado por João Batista será retomado por Jesus (Mt 4,7), por seus discípulos (Mc 6,12; Lc 24,47) e por Paulo (At 20,21; 26,20) (nota em Mt 3,2).

5. Eis, portanto, o que significa porta estreita: arrependimento e conversão.

Sem arrependimento, não há remissão de pecados.

Sem arrependimento, não há conversão.

6. Talvez hoje nos esqueçamos de dizer que se alguém se encontra em uma situação irregular, como a dos divorciados casados novamente, a primeira condição para o acesso aos sacramentos é o arrependimento com tudo o que decorre desta realidade para que não reste sem sentido.

Isto é o que disse São Pedro no dia de Pentecostes: “Arrependei-vos, portanto, e convertei-vos para serem apagados os vossos pecados” (At 3,19).

7. A respeito da segunda pergunta: por que Jesus dirá a alguns que comeram à sua mesa e ouviram sua palavra, que ele não os conhece?

Essas palavras se referem principalmente aos judeus que não terão se convertido.

Para os judeus, de acordo com a prática da Lei deles, quando ofereciam vítimas a Deus, comiam e festejavam.

Além disso, nas sinagogas, eles ouviam os livros de Moisés.

Mas essas palavras também se referem aos cristãos: de fato, nós comemos o corpo de Cristo aproximando-nos da mesa eucarística e Ele ensina nas praças de nossas almas.

Não basta ouvir os ensinamentos do Senhor.

Acima de tudo, é necessário colocá-los em prática.

Aproximar-se da mesa do Senhor sem estar arrependido e convertido não leva à salvação.

Da mesma forma, ouvir os ensinamentos do Senhor sem caridade não conduz à salvação de acordo com as palavras do Espírito Santo proferidas através de São Paulo: “Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos … e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência; … Ainda que distribuísse todos os meus bens em sustento dos pobres … se não tiver caridade, de nada valeria! ” (I Cor 13, 1-3).

8. Para ser mais preciso, no Evangelho não lemos que alguns dirão: “Pregamos em teu nome”.

O Evangelho de Lucas, como já vimos, diz: “tu ensinaste em nossas praças”.

Em vez disso, o Evangelho de Mateus registra estas palavras: “Senhor, Senhor, não pregamos nós em vosso nome, e não foi em vosso nome que expulsamos os demônios e fizemos muitos milagres?” (Mt 7,22).

A profecia e a realização de milagres são graças gratis datae ou carismas que Deus pode conceder até mesmo àqueles que não estão em estado de graça.

Em vez disso, somente aqueles que têm caridade também possuem a graça, o vestido matrimonial que permite entrar na vida eterna.

Agradeço-te pela pergunta que, como vês, aborda temas muito importantes, intimamente ligados à nossa salvação eterna.

Com o desejo de que possas sempre passar pela porta estreita e ser sempre adornado de caridade, lembro-te ao Senhor e te abençoo.

Padre Angelo

Questo articolo è disponibile anche in: Italiano Inglês Francês Alemão Português