Prezado Padre Angelo,
Eu sou uma jovem de 21 anos e lhe escrevo para pedir conselhos sobre minha situação familiar.
Minha família é composta por 5 pessoas: eu, meus pais e dois irmãos menores que eu, um de 19 e o outro de 15 anos. Eu realmente os amo muito, mas, infelizmente, me sinto muito diferente e incompreendida.
Embora meus pais não sejam católicos crentes e praticantes, eles fizeram meus irmãos e eu frequentarmos o catecismo, como muitos fazem, receber todos os sacramentos até a Crisma e ir ao oratório. Todas essas experiências (além de ter encontrado em meu caminho muitas pessoas de fé fora da minha família) fizeram com que eu sempre me sentisse incentivada a buscar a fé, e ela foi crescendo cada vez mais em mim. Nos últimos meses, amadureci muito neste sentido, senti uma grande proximidade de Deus e espero que continue assim no futuro.
Como lhe disse, sou a única na família que crê e pratica e não lido bem com essa situação: às vezes me sinto como se estivesse numa prisão, sem ser aceita por aquilo que sou realmente. Nos últimos dois anos, para poder cursar a universidade, passo vários dias da semana em uma cidade muito maior que a minha e vivo de modo bem independente (mesmo dividindo a casa com outras colegas). Essa situação também me permite viver minhas escolhas de fé com serenidade e tranquilidade: posso ir à missa todos os dias, jejuar, rezar antes de comer: coisas que, quando estou em casa com meus pais, escondo por medo de ser julgada. Eles não me impediriam de fazer nada, mas muitas vezes eu tive que ouvir piadas desagradáveis sobre minha fé e isso me leva a não me sentir aceita por quem sou realmente. Minha mãe não fala muito: ela apenas lança alguns olhares de estranhamento, mas fora isso ela é bem tranquila. Meu pai, por outro lado, realmente me incomoda quando toca no assunto. Por exemplo, no dia 26 de dezembro, conversando com parentes à mesa, foi dito que na virada do ano eu iria ter uma experiência diferente da habitual, ou seja, participar de um curso de formação sobre amor e afetividade. Ele usou estas palavras para se referir a isso “Saibam que minha filha é uma católica cristã convicta e vai para um convento na virada do ano” zombando de mim e acrescentando que ele está realmente feliz por eu ter fé, mas que fica entediado na igreja e espera nunca se tornar um crente. Esses episódios muitas vezes se repetem mesmo quando estamos simplesmente entre nós e ele não é o único a zombar de mim desse jeito: até meu primo no dia de Natal me fez piadas assim, que, no entanto, me magoam cada vez mais. Não me sinto livre para ser eu mesma, porque sei que se lhes dissesse que vou à missa quase todos os dias e que quando estou fora jejuo, que me confesso regularmente, que rezo o terço e oro todos os dias, seria ainda mais atacada. Na minha família, infelizmente, não tenho bons exemplos de fé, exceto de alguns primos distantes, mas que vejo pouco. Antes eu podia contar com meus avós paternos, mas, infelizmente, ambos faleceram num período de um ano e meio e agora eu realmente me sinto como alguém que tem de combater uma batalha sozinha. Esconder a fé, que é uma das partes mais bonitas de mim, me faz sofrer e lamento que eles não percebam que se sou como sou (eles se orgulham de mim e das coisas que faço e expressam isso para mim, principalmente meu pai) é porque eu tenho fé. Por isso, quando me elogiam, não sabem que, na verdade, estão louvando Aquele que me inspira, que me tornou aquilo que sou. Sem Jesus eu seria diferente, não tenho a menor dúvida.
Outro aspecto a ressaltar é que não concordo em nada com a maneira como meus pais estão se comportando em relação à educação de meus irmãos. O de 19 anos fuma maconha e passou a noite do dia 26 de dezembro (enquanto estávamos na casa de parentes) na casa dos meus avós falecidos com uma garota que ele começou a namorar recentemente para dormir na cama deles. Cheguei a encontrar no banheiro um pouco de maconha que ele esqueceu por lá e sei que ele deixa camisinhas na mesinha de cabeceira de seu quarto, que divide com meu outro irmão, o mais novo. Este último, por sua vez, me preocupa que ouça muito heavy metal e use camisetas com escritas de “morte” e várias caveiras. Preocupo-me muito com ele porque sou sua madrinha de crisma e sempre me parece que não estou fazendo o suficiente por ele, que deixou de frequentar a missa de domingo há alguns meses. Mas quando tento falar isso aos meus pais, eles me dizem que eu exagero, às vezes dizem até que sou uma carola e, por sua vez, não falam quase nada aos meus irmãos, respondendo que eles também fizeram essas coisas quando eram jovens. Não posso dizer nada aos meus irmãos, pois é impossível que eles me levem a sério, já que meus pais são os primeiros a discordar do que eu digo.
Às vezes também me dizem “Coitadinhos dos seus filhos, você não os deixará em paz nem por um minuto” e isso me faz sofrer ainda mais, porque sinto uma vocação muito forte para a família e tocar num ponto tão doloroso me preocupa muito, porque gostaria de todo coração ser uma boa mãe para meus futuros filhos e certamente não ser muito rígida.
Ultimamente, estou pensando em fazer uma promessa de castidade até o casamento e sei que deveria dizer a eles para que testemunhem minha escolha e falem sobre isso, mas essa situação está me destruindo e tenho medo de me ferir ainda mais. É possível, padre, que eles ficassem mais calmos se eu fizesse como todos, como é normal hoje em dia? É possível que meu irmão, que fuma maconha e troca de namoradas em tão pouco tempo, seja menos criticado do que eu? Meus pais não deveriam ficar felizes por ter uma filha como eu, que, com suas escolhas, lhes dá menos problemas e preocupações?
A verdade é que os amo muito, mesmo que eles não percebam, e desejo que eles também possam experimentar o amor de Deus. Por isso procuro rezar um terço por eles todos os dias, além da oração de Irmã Faustina Kowalska pela conversão dos pecadores e também sempre penso neles durante a missa. Para mim é uma verdadeira missão: sei que ninguém mais oraria por eles.
Quando fico muito em casa, fico sempre dividida, porque estar muito com eles me faz ter mais dúvidas do que de costume e crises de fé, e é por isso também que adoro morar sozinha durante a semana. Há um mês um padre, durante uma confissão, disse-me que tenho de reequilibrar a relação com os meus pais, porque, por um lado, procuro a independência, por outro, recuso-a e gostaria de receber algo mais deles. Acho que ele tem razão em dizer isso, mesmo porque são excelentes pais, mas, talvez pelo fato de eu ser a filha mais velha, sempre tive vontade de receber mais carinho, até mesmo um “Amo você” e alguns abraços a mais. Não digo que não me mostrem que me amam, mas muitas vezes sinto que preciso de mais demonstrações físicas e verbais. O fato de eu ser tão independente e forte não significa que não precise dessas coisas, mas apenas que aprendi a me defender de seus julgamentos dessa maneira.
O que o senhor me aconselha a fazer, padre? É verdade que exagero e sou muito rígida? Como posso mostrar a eles, que são as pessoas mais queridas que tenho, a minha fé? Com palavras eu não consigo, temo que seja inútil. Gostaria que vissem uma transformação no meu comportamento, mas receio que não notem nada. É verdade que eu seria uma mãe muito rígida e severa? Como posso permanecer firme em minha fé e autoestima enquanto ainda vivo com eles?
Muito obrigada pela atenção! Vou me lembrar do senhor em minhas orações!


Prezadíssima,
1. a sua experiência de vida cristã fez-me lembrar de uma grande senhora francesa, Elisabeth Arrighi Leseur, cujo processo de beatificação está em curso.
De formação cristã, ela era casada com um certo Felice Leseur, um oficial das colônias francesas no norte da África
Ele, incrédulo, fez de tudo para fazê-la perder a fé.
Quando ele viu que com seu empenho estava obtendo o resultado esperado, deu a ela um livro para ler, com a intenção de fazê-la abandonar completamente sua fé.
Mas aquela leitura teve o efeito contrário, porque diante de várias afirmações que considerou incoerentes ela foi verificar nas Sagradas Escrituras se as coisas eram realmente daquele modo.
E em contato com os textos sagrados, ou melhor, com Aquele que falava através daquelas palavras divinas, sentiu-se novamente atraída pelo Senhor e iniciou um grande caminho de vida cristã.

2. Era impossível para ela falar com o marido sobre essas coisas porque ele ficaria entediado e, de qualquer maneira, não as compreenderia.
Só lhe restou orar e, logo em seguida, sofrer e oferecer porque foi atingida por uma doença que a levou à morte.
Durante sua doença, ela manteve uma intensa correspondência com muitas pessoas que ficaram impressionadas com sua profunda espiritualidade.
Mas em casa com o marido ela não podia falar sobre essas coisas porque era como se ele vivesse em outro planeta e aquela linguagem fosse incompreensível para ele.

3. Tudo isso parece de alguma forma representar a sua história.
Ninguém em casa entende você. Eles a apreciam por sua inteligência e habilidades, mas por sua fé têm pena de você. Aos olhos deles você parece uma pobrezinha, privada de muitas experiências de felicidade.
Enquanto isso você está experimentando outra felicidade imensamente mais profunda, mais duradoura, amável e irresistível.
É a experiência de quem vive na graça e sente que as palavras de São Tomás de Aquino são verdadeiras: «Quem ama a Deus o possui dentro de si (qui diligit Deum, ipsum habet in se) de acordo com as palavras de São João, quem está em amor está em Deus, e Deus nele (1 João 4:16)” (São Tomás, In duo praecepta caritatis et in decem legis praecepta expositio).

4. Então chegou o momento de graça para o marido de Elisabetta Leseur. Após a morte prematura de sua esposa, ele descobriu que ela possuía um diário secreto.
Ao ler a narrativa dos seus sofrimentos e suas orações pela conversão de seu marido e talvez vendo como o Senhor havia considerado suas preces, ele ficou impressionado e se converteu.
Dirigiu-se imediatamente a um grande dominicano, o padre Janvier, que na época se dedicava à pregação da Quaresma em Notre Dame de Paris e iniciou seu itinerário de vida cristã que depois de cinco anos o fez ingressar na ordem dominicana, tornar-se religioso com o nome de Alberto, sacerdote, pregador.

5. Também para você neste momento as palavras não serão suficientes para tocar o coração dos seus familiares.
É necessário que o Senhor os toque por dentro.
Só então eles entenderão tudo.

6. Enquanto espera por este momento, digo-lhe para continuar como está fazendo agora e não voltar atrás em nenhuma das práticas que iniciou.
Se é verdade que é Deus quem efetua em nós tanto o querer quanto o realizar, como diz São Paulo em Filipenses 2:13, certamente essas práticas foram inspiradas pelo Senhor.

7. E, além disso, diria que coloque em prática o que Pauline, uma das irmãs mais velhas de Santa Teresinha, sugeriu a esta futura santa por ocasião da sua primeira comunhão.
Aqui está o que ela escreveu: “O que peço a Teresa é que busque a cada dia todos os meios para agradar ao Menino Jesus e, portanto, ofereça-lhe todas as flores que encontrar no caminho!
Adeus, meu pequeno Benjamin, sim, pegue todas essas florzinhas misteriosas de que falamos tantas vezes; são flores que não murcharão como as flores da terra, mas serão preservadas pelos Anjos para perfumar os jardins do céu e um dia formar sua coroa”.

8. Também a você o Senhor apresenta uma ocasião após a outra para praticar atos virtuosos e imediatamente transformá-los em flores para serem apresentadas ao Senhor.
Teresa ficou feliz por poder dizer à irmã que naquela época não se contentava em oferecer ao Senhor apenas uma flor, mas em encher um cesto, em fazer um buquê, como a irmã sugeriu.

9. Justamente em virtude destas orações e destes atos contínuos de oferta e amor ao Senhor, um dia Santa Teresinha poderá escrever aquelas grandes palavras que nunca devemos esquecer: “Ah, a oração e o sacrifício constituem toda a minha força, são as armas invencíveis que Jesus me deu, podem tocar as almas muito mais do que as palavras, tive muitíssimas vezes experiência disso” (História de uma alma 315).

10. Acho que posso dizer que a estratégia do Senhor na situação atual de sua vida é exatamente esta: permite a falta de fé de seus pais, a prática cristã quase nula em sua família e às vezes até a presença descarada do que é contrário ao desígnio de Deus em relação ao amor humano para conduzi-la a uma santidade maior, com uma capacidade cada vez maior de amar e ao mesmo tempo atua para poder ter uma abertura para agir dentro dos seus corações e levar todos à salvação.

Continue assim, como o Senhor lhe sugeriu.
É com prazer que a acompanho com a minha oração e a abençoo.
Padre Angelo

Questo articolo è disponibile anche in: Italiano Inglês Francês Alemão Português