Bom dia, Padre Angelo,

meu nome é Alessandro

Uma questão que sempre surgiu da conversa com um amigo diz respeito à consciência. Seguem suas declarações, para as quais peço explicações:

– Se um fiel não segue sua consciência, ele comete um pecado mortal e acaba no inferno. É claro que a consciência deve ser bem formada e Deus nos cobrará por isso. Devemos distinguir entre ignorância supina, crassa e invencível.

As duas primeiras são culpadas, mas a terceira não.

– E se o fiel pensasse segundo a própria consciência que um ato é um pecado mortal, mesmo que não seja, se ele o faz, ser-lhe-á imputado como um pecado mortal, porque a sua consciência disse assim.

Deu-me um exemplo sobre esse fato, que se um sacerdote acreditasse em consciência que qualquer tipo de jogo com premiação deveria ser considerado jogo de azar e, portanto, pecado mortal, e se ele estivesse no caso de ignorância invencível, se, mesmo que recebesse uma ordem vinda de cima (bispo), fosse-lhe solicitado organizar uma tômbola na paróquia, se ele cometeria um pecado mortal por desobedecer à própria consciência.

E o caso seria válido também ao contrário, ou seja, se diante de um ato que em si é pecaminoso, mas sua consciência não o fizesse perceber como um pecado, nesse caso ele não cometeria um pecado.

Agora eu lhe peço, caro Padre Angelo,

reconhecendo o caso da ignorância invencível, mas São João Apóstolo, em sua primeira carta, não diz que “caso nossa consciência nos censure … Deus é maior do que nossa consciência e conhece todas as coisas”. 

E sempre com relação à consciência e à ignorância invencível, talvez o problema não seja tanto ouvir e fazer, mas onde está a Verdade, e qual autoridade ouvir, já que a própria Igreja é mãe e mestra.

Mas a objeção do meu amigo é que o primeiro santuário do homem é a consciência, que vem antes de qualquer outra autoridade.

Reconhecendo de seguir esta linha idealmente, mas não há o risco de cair no subjetivismo e, além disso, quando uma pessoa pode estar ciente de ter uma consciência bem formada?

Desculpe-me se me alonguei, espero que o senhor tenha compreendido e possa me ajudar a esclarecer essas questões.

Obrigado e lhe recordo na oração


Prezado Alessandro,

1- Essa segunda pergunta contém vários erros.

No entanto, começo por notar a precisão da afirmação de que é necessário seguir a própria consciência.

2. Entretanto, eu gostaria de lembrar o que é a consciência.

Recordo-o nas palavras do Concílio Vaticano II: “No fundo de sua consciência, o homem descobre uma lei que não dá a si mesmo, mas a qual deve obedecer, e cuja voz, que sempre o chama a amar e a fazer o bem e a fugir do mal quando necessário, diz claramente aos ouvidos de seu coração: faça isto, fuja daquilo. O homem, realmente, tem uma lei escrita por Deus em seu coração: obedecê-la é a própria dignidade do homem e, de acordo com essa, ele será julgado.

A consciência é o núcleo mais sagrado e o santuário do homem, onde ele se encontra sozinho com Deus, cuja voz ressoa em sua própria intimidade. É através da consciência que se conhece essa lei de modo admirável, que encontra a sua conclusão no amor a Deus e ao próximo” (Gaudium et spes 16).

3. Portanto, é justo o quanto o cardeal J.H. Newmann havia intuído: “Minha natureza ouve a voz da consciência como uma pessoa. Quando a obedeço, sinto-me satisfeito; quando a desobedeço, sinto uma aflição, assim como sinto quando agrado ou desagrado um caro amigo … Um eco implica uma voz; uma voz, alguém que fala. É quem fala que eu amo e venero” (Callista).

“A lei divina é a regra suprema das ações; nossos pensamentos, nossos desejos, nossas palavras, nossas ações, tudo o que é humano está sujeito ao domínio da lei divina e esta lei se torna suprema em nossa conduta através da nossa consciência. Daí resulta que nunca é lícito agir contra a consciência; assim também se expressa o quarto Concílio Lateranense, que diz: “quidquid fit contra conscientiam, aedificat ad gehennam” (tudo o que é feito contra a consciência conduz para o inferno).

A consciência não consiste … no desejo de ser coerente consigo mesmo; ela é um mensageiro vindo d’Ele que, tanto na natureza como na graça, nos fala quase através de um véu e nos ensina e nos guia através de Seus representantes. A consciência é um vigário aborígene (o primeiro de todos) de Cristo, um profeta das suas informações, um monarca em suas ordens, um sacerdote em suas bênçãos e anátemas; e mesmo que o sacerdócio eterno que é encarnado na Igreja pudesse deixar de existir, o princípio sacerdotal permaneceria na consciência e teria a predominância” (Carta ao Duque de Norfolk, c. 5).

4. A seguir, comento as declarações inexatas no seu e-mail.

A primeira: “se um fiel não segue sua consciência, comete pecado mortal e acaba no inferno”:

Isto não é verdade, pois pode haver escassez de matéria, como quando se conta uma mentira venial. Sabe-se bem de estar agindo contra a consciência, mas o assunto é leve.

A expressão do Quarto Concílio Lateranense: o que se faz contra a consciência direciona para a Geena, que significa apenas que se trata de uma coisa errada, de um pecado. Mas esse pecado não é necessariamente mortal.

5. A segunda: “Devemos distinguir entre ignorância supina, crassa e invencível. Os dois primeiros tipos são culpados, mas o terceiro não o é”.

O terceiro tipo também poderia ser culpado, como recorda o Concílio Vaticano II: “Outro tanto não se pode dizer quando o homem se descuida de procurar a verdade e o bem e quando a consciência se vai progressivamente cegando, com o hábito do pecado” (Gaudium et spes 16).

6. A terceira: “deu um exemplo que se um sacerdote acreditasse em consciência que qualquer tipo de jogo com premiação deveria ser considerado jogo de azar e, portanto, pecado mortal, e se ele estivesse no caso de ignorância invencível, se, mesmo que recebesse uma ordem vinda de cima (bispo), fosse-lhe solicitado organizar uma tômbola na paróquia, se ele cometeria um pecado mortal por desobedecer à própria consciência”.

Ele não comete pecado mortal porque há escassez de matéria.

7. A quarta: “E o caso também seria válido ao contrário, ou seja, se diante de um ato que em si mesmo é pecaminoso, se sua consciência não o fizesse perceber o ato como pecaminoso, ele não cometeria pecado”.

Isto é impreciso porque o juízo errado da consciência pode ser atribuído a ele porque teve pouco cuidado em buscar a verdade e o bem, ou porque a consciência se vai progressivamente cegando, com o hábito do pecado (cf. GS 16).

8. A quinta (a imprecisão aqui não é sua, mas de seu amigo): “Mas a objeção do meu amigo é que o primeiro santuário do homem é a consciência, que vem antes de qualquer outra autoridade”.

A consciência não é a primeira autoridade porque a consciência não é encarregada de decidir o que é bom e o que é mau, mas de reconhecer à luz de Deus o que é bom e o que é mau.

Deus fala através da lei natural cuja voz “diz claramente aos ouvidos do coração: faça isto, fuja daquilo”.

Isso é idêntico em todos, pelo menos em seus primeiros princípios universais.

Além disso, o cristão é ajudado por uma nova luz, a de Cristo, que se prolonga através do Magistério da Igreja.

Por esta razão, o Concílio, em Dignitatis Humanae, ensina que “Os fiéis … para formarem a sua própria consciência, devem atender diligentemente à doutrina sagrada e certa da Igreja. Pois, por vontade de Cristo, a Igreja Católica é mestra da verdade, e tem por encargo dar a conhecer e ensinar autenticamente a Verdade que é Cristo, e ao mesmo tempo declara e confirma, com a sua autoridade, os princípios de ordem moral que dimanam da natureza humana.” (DH 14).

E é por isso que São Tomás lembra que “contra a autoridade da Igreja nem Jerônimo, nem Agostinho, nem outros médicos santos ousaram defender a própria sentença” (Suma Teológica, II-II, 11, 2, ad 3).

Portanto, dizer que eu sou cristão e crente é a mesma coisa que se deixar guiar por Cristo e por aqueles a quem Cristo disse para obedecer, porque ele garantiu ajudá-los lá do céu.

Isto está obviamente na esfera da fé e da moral e não naquilo que não tem nada a ver diretamente com a fé e a moral. Ainda mais se o assunto for discutível, mesmo do mero ponto de vista científico.

Agradeço-te pela oração, lembro-te ao Senhor e te abençoo.

Padre Angelo

Questo articolo è disponibile anche in: Italiano Espanhol Francês Português