Pergunta

Caro Padre Angelo,

Um querido amigo meu teve um filho há alguns dias. Ele recebeu os sacramentos, mas a namorada dele (eles não são casados) acho que não, porque ela vem de um país ex-comunista.

Nós nos encontramos e perguntei se ele ia batizar o bebê. Ele respondeu que não, que ambos não consideram necessário; isso me deu um certo desprazer.

O conhecimento é a base das escolhas que podemos fazer na vida. Conhecer o Senhor e viver em um ambiente no qual existem muitas oportunidades de encontrá-lo pode nos ajudar a decidir se devemos segui-lo ou não. É legítimo sair de uma comunidade espiritual e é um privilégio poder voltar a ela.

Porém, se não se é um membro da comunidade que caracteriza os valores da cultura a que se pertence (especificamente a Igreja), as dificuldades de aproximação são maiores, por vezes desanimadoras. Quem, já adulto, tem tempo para seguir uma catequese e percorrer as etapas que levam à recepção dos Sacramentos? Alguns, mais determinados, mas não todos.

Até mesmo saber “ler” uma pintura de Rafael ou Caravaggio pode sofrer com a falta de educação cristã. Por que privar seus filhos desse testemunho?

Eu disse a ele: “Você assume uma grande responsabilidade”, mas não me atrevi a acrescentar mais nada.

Pedi a Nossa Senhora a graça de “tocar” o coração dos pais e de os convencer a batizar a criança. Existe um intercessor mais específico que pode interceder junto ao Senhor para obter esta graça?

Peço que reze também pelo bem maior da criança, que é sempre o que Deus quer, seja o que for.

Saudações cordiais.


Resposta do sacerdote

Carissimo,

1. sim, é uma grave responsabilidade a dos pais que não pretendem batizar seu filho.

O problema é que eles não veem isso como uma responsabilidade.

Eu realmente acho que eles estão convencidos de que estão indo bem.

2. Mas a responsabilidade deles é grande, antes de mais nada com relação a eles mesmos. Porque o nascimento do filho os colocou diante do problema do Batismo.

E em vez de aproveitar a oportunidade para saber mais sobre a graça desse sacramento, eles provavelmente concluíram rapidamente que ele é inútil.

É de se desejar que o que o Senhor disse sobre aqueles fariseus que estavam furiosos contra ele e contra o cego de nascença não se aplique ao caso deles: “Vim a este mundo para fazer uma discriminação: os que não veem vejam, e os que veem se tornem cegos”.(Jo 9,39).

Acrescentando um pouco mais tarde: “Se fôsseis cegos, não teríeis pecado, mas agora pretendeis ver, e o vosso pecado subsiste”.(Jo 9,41).

Santo Agostinho comenta: “Se você fosse cego, se você percebesse que era cego, se você admitisse que era, você iria ao médico; mas no momento em que diz: eu vejo, seu pecado permanece. Porque ao se iludir que vê, você não procura o médico e fica na sua cegueira ”.

3. E também é grande em referência à criança que fica mais exposta ao adversário e não é santificada pela graça.

Sobre permanecer mais exposto ao adversário, Santo Tomás escreve: “O poder demoníaco permanece no homem quanto à mancha do pecado e à dívida do castigo, até que o pecado seja removido pelo batismo.

Em referência a isso, São Cipriano escreve: “Saiba que a maldade do diabo pode resistir até a água salutar, mas no batismo ela perde toda possibilidade de dano” (Epist. 76) “(Suma teológica, III, 71, 3).

4. A responsabilidade dos pais é grande, porque privam o filho da graça santificadora que traz a presença pessoal de Deus.

Santo Tomás escreve: “O batismo”, como diz Santo Agostinho, “tem a tarefa de incorporar os batizados em Cristo como seus membros” (De bapt. Parvul. 1,26).

Mas de Cristo como cabeça vem a plenitude da graça e da virtude em todos os membros, segundo a expressão de São João: “Todos nós recebemos da sua plenitude graça sobre graça” (Jo 1,16).

Portanto, é evidente que com o batismo a graça e as virtudes são obtidas ”(Suma teológica, III, 69, 4).

Vale lembrar que a graça é como uma cerca que torna a criança inatacável para o diabo.

O próprio diabo reconhece isso repreendendo a Deus por ter colocado uma cerca ao redor do justo Jó, de modo que nada poderia fazer contra ele: “Não cercaste, qual uma muralha, a sua pessoa, a sua casa e todos os seus bens?” (Jó 1,10).

5. Além disso, o Batismo por incorporação a Cristo aplica à criança os méritos da Paixão de Jesus Cristo, que são infinitos e preciosos.

Quando as crianças batizadas atingem alguns anos de vida e são capazes de rezar, elas desfrutam dos méritos da paixão do Senhor, que são aplicadas a elas com o Batismo.

Também por isso, a oração das crianças é particularmente eficaz.

6. Tudo isto sem mencionar os outros efeitos do Batismo, como a incorporação na Igreja, o selo ou caráter impresso na alma e o que dele deriva.

É por isso que o Papa Francisco disse recentemente que administrar o Batismo a crianças é um ato de justiça.

Obrigado por me dar a oportunidade de evidenciar estes benefícios.

Lembro-lhe ao Senhor e eu lhe abençoo.

Padre Angelo

Questo articolo è disponibile anche in: Italiano Inglês Espanhol Francês Alemão Português