Questo articolo è disponibile anche in: Italiano Espanhol Francês Português

Pergunta

Obrigado padre Ângelo,

Faz um tempinho que quero me juntar à Confraternidade sem o fazer. Há anos rezo o Santo Rosário quotidiano, e posso testemunhar a ajuda espiritual e material da Virgem Santíssima na minha vida.

Eu também fiquei “deslumbrado no caminho de Damasco”, após a separação com a minha ex-mulher, o vazio e os problemas comandavam na vida cotidiana, a fé era uma lembrança distante da juventude, perseguido e ferido, estava em busca de vingança moral.

Todavia… A Mãe da Misericórdia nunca me perdeu de vista…

Enquanto estudante universitário fiz as nove primeiras sextas-feiras do mês, dedicadas ao Sagrado Coração de Jesus…

Ao crescer a gente muda, a fé é coisa de criança e se não cultivada, parece secar… A vida te oprime, trabalho, possibilidades econômicas, luzes efêmeras parecem fazer-te esquecer que existe algo mais; um Deus que nos criou, morreu por nós, e que nos ama loucamente… Na escuridão… A Luz… A Promessa divina é eterna.

A minha “fulguração no caminho de Damasco”, não solicitada nem sequer procurada, tem lugar no metrô em Milão…

Incomodado há tempo, não sai da minha cabeça um pequeno livro: as quinze orações de Santa Brígida… Que absurdo, que incômodo este pensamento recorrente, dói. Agora oprimido por este pensamento, saio xingando, parada Duomo. Vou para a livraria San Paolo, compro esse livrinho estúpido, com a intenção de jogá-lo em alguma gaveta assim que essa voz interior pare de me importunar…

pelo contrário… “Onde se pode o que se quer “, pois é nessa altura que começa a minha ressurreição, sustentada posteriormente pelo Rosário diário.

Na minha vida, na minha profissão de médico, cardiologista antes, anestesista depois, só posso testemunhar o amor de Deus, mas acima de tudo da Corredentora, nossa advogada que sempre me seguiu, mesmo quando eu não queria conhecer nem buscar o caminho.

Ainda hoje, na vida cotidiana, apesar de ser pecador miserável, com dor, enquanto divorciado e civilmente recasado, tendo a impossibilidade de acessar a Confissão, todos os dias estou “agarrado” a esta doce corrente que me impede de cair no abismo do nada. Agradeço por suas orações e…

Viva Jesus e Maria


Resposta do sacerdote

Querido,

1. Fico contente com o fato de publicar o que você escreveu para mim, porque este e-mail é um testemunho de que a graça de Deus trabalha também naqueles que vivem em situações irregulares que objetivamente são de pecado grave.

2.O Senhor não te abandonou.

Na prática das nove primeiras sextas-feiras do mês que você fez quando cursava na universidade, houve uma invocação tácita que Deus não te abandonasse.

Como você pode ver, Ele não te abandonou.

E Ele se fez encontrar de novo de uma forma diferente e completamente inesperada, no momento em que você falou: compro aquele livrinho idiota, para que eu não me atormente mais.

3. Orações e meditações sobre a paixão do Senhor são sempre salutares.

No Evangelho de João lemos: “Hão-de olhar para Aquele que trespassaram” (Jo  19,37).

Ao relatar este texto de Zacarias 12,10 uma dupla profecia é expressa: a primeira, que Jesus seria perfurado o Seu lado.

A segunda, que os crucificadores voltariam para o Senhor.

Todos nós somos os crucificadores do Senhor com nossos pecados.

4. Todos hão-de olhar para Ele.

São Tomás comenta: “Verão Ele no dia do juízo”, como lemos em Ap 1,7: “Ei-lo que vem com as nuvens. Todos os olhos o verão, mesmo aqueles que o traspassaram. Por sua causa, hão de lamentar-se todas as raças da terra. Sim. Amém!” ou o verão sendo convertidos à fé.” (Comentário ao Evangelho de João, 19,37)

5. O Senhor te deu a  graça de volver o olhar para Ele para que o teu arrependimento seja útil, porque o arrependimento que se sente no inferno, como o do  rico epulão, serve apenas para aumentar o tormento.

6. Mas tem outra declaração em seu e-mail que quero destacar que é quando você afirma que sua conversão foi posteriormente apoiada pelo Rosário diário através do qual você experimentou o amor materno da Corredentora, nossa Advogada.

Nessa altura gosto de lembrar o que o Beato Bartolo Longo afirmou enquanto discutia com uma nobre anglicana que contestou a devoção a Nossa Senhora, dizendo que apenas e só o sangue de Cristo nos salva. É verdade, respondeu Bartolo Longo, mas foi a Nossa Senhora que recolheu o sangue do Redentor moribundo.

Recolheu-o no sentido de que, debaixo da cruz, elarecolheu no seu coração todos os tesouros da redenção e precisamente por isso Jesus fez dela nossa mãe, dispensadora de todos os bens e graças pelos quais Jesus pagou um alto preço..

7. Entregue-se a Maria, que também recolheu no sangue do Redentor moribundo a graça da sua salvação, com todo o seu coração continuando com o Santo Rosário diariamente para que a graça de sua salvação não permaneça em suas mãos, mas atinga você que é o sortudo beneficiário.

Unidos através do vínculo desta oração, lembro-te ao Senhor e abençoo-te.

Padre Ângelo


Traduzido por Aurora M.