Questo articolo è disponibile anche in: Italiano Português

Pergunta

Louvado seja Jesus Cristo! Padre Angelo, ofereço ao senhor uma oração.

Gostaria de perguntar se o batismo com água de São João Batista começou com ele ou se era um rito já em uso.

Pensava que tinha começado com ele, mas me disseram que eu estava errada.

Obrigada de coração


Resposta do sacerdote

Caríssima,

1. A imagem da água purificadora é frequente nos profetas e salmos.

Basta citar o Salmo 50 [51], onde Deus é invocado com estas palavras: “Lavai-me totalmente de minha falta, e purificai-me de meu pecado” (Sal 50 [51],4) e “Aspergi-me com um ramo de hissope e ficarei puro. Lavai-me e me tornarei mais branco do que a neve” (Sal 50 [51],9).

2. Os israelitas sempre estiveram familiarizados com abluções religiosas, como é evidente, por exemplo, em Números: “Eis o preceito da lei que o Senhor impôs a Moisés: (…) tudo o que pode passar pelas chamas será purificado no fogo; mas será também purificado pela água lustral. Tudo o que não suporta o fogo será purificado com a água. Lavareis vossas vestes no sétimo dia, para serdes puros; depois disso, voltareis ao acampamento” (Núm 31,21-24).

Isto também é evidente na história de Naamã, o sírio, a quem Eliseu dá esta ordem: “Vai, lava-te sete vezes no Jordão e tua carne ficará limpa” (II Re 5,10).

3. Com a aproximação da era cristã, aqueles que passavam do paganismo para a religião judaica, fossem eles adultos ou crianças, tinham que se submeter a uma cerimônia que envolvia, entre outras coisas, um banho purificador, uma espécie de batismo.

A seita dos Essênios praticava um costume semelhante.

Portanto, a prática comandada por João Batista não era totalmente desconhecida, muito pelo contrário.

4. Mas o batismo de João tinha uma nova característica: era um batismo de penitência que preparava para a vinda imediata do Messias: “pregava um batismo de conversão para a remissão dos pecados” (Mc 1,4).

Entretanto, era ainda um batismo simbólico: expressava arrependimento pelos pecados e por si só não produzia aquela transformação interior e sacramental própria do batismo instituído por Jesus Cristo.

Isto pode ser deduzido no Novo Testamento a partir das muitas referências que apontam que João batizou com água, mas que Cristo batizaria “no Espírito Santo e em fogo” (Mt 3,11).

5. Jesus se submeteu ao batismo de João.

Com isso, porém, o Senhor não confessou ser um pecador, mas manifestou abertamente sua solidariedade com a humanidade pecadora, que Ele havia vindo para redimir dos pecados.

Muito mais o fez para receber aquele testemunho do Pai de que era Seu Filho amado presente no mundo.

Aqui está o texto: “Da Galiléia foi Jesus ao Jordão ter com João, a fim de ser batizado por ele. João recusava-se: Eu devo ser batizado por ti e tu vens a mim! Mas Jesus lhe respondeu: Deixa por agora, pois convém cumpramos a justiça completa. Então João cedeu. Depois que Jesus foi batizado, saiu logo da água. Eis que os céus se abriram e viu descer sobre ele, em forma de pomba, o Espírito de Deus. E do céu baixou uma voz: Eis meu Filho muito amado em quem ponho minha afeição.” (Mt 3,13-17).

Com o desejo de que possas viver plenamente a nova vida que recebeste no Batismo de Jesus Cristo, lembro de ti em oração e te abençoo.

Padre Angelo