Questo articolo è disponibile anche in: Italiano Português

Olá, Padre Angelo,

mas quando nas Sagradas Escrituras está escrito que a glória do Senhor apareceu a Moisés e a Aarão, o que significa isso exatamente?

Será que eles tiveram uma visão em que Deus fala e é visível apenas para eles como acontece, por exemplo, com os videntes que veem Nossa Senhora ou Jesus?

O que é em termos literais?

Obrigado pela resposta.

Caríssimo,

a Bíblia de Jerusalém diz que “a glória do Senhor é a manifestação da presença divina” (cf. nota a Êx 24,16)

“É um fogo, bastante distinto da nuvem que o acompanha e o envolve. (…)

Esta luz esplêndida, cujo reflexo irradiará o rosto de Moisés (cf. Êx 34,29) expressa a majestade inacessível e temível de Deus”.

2. O Antigo Testamento fala de dois tipos de manifestações (epifanias) da glória de Deus: das suas grandes obras e das suas aparições.

3. Deus manifesta a sua glória em primeiro lugar com as suas maravilhosas intervenções como lemos por exemplo em Núm 14,22:

“nenhum dos homens que viram a minha glória e os prodígios que fiz no Egito e no deserto”

O mais esplêndido é a passagem pelo Mar Vermelho: “Os egípcios saberão que eu sou o Senhor quando tiver alcançado esse glorioso triunfo sobre o faraó, seus carros e seus cavaleiros” (Êx 14,18).

Mas também o aparecimento do maná e das codornizes são manifestações da sua glória: “e amanhã pela manhã vereis a sua glória” (Êx 16,7).

4. No Antigo Testamento, a glória de Deus se manifesta na ajuda ao Seu povo.

Por esta razão é também sinônimo de salvação: “será vista a glória do Senhor e a magnificência do nosso Deus” (Is 35,2).

5. Em segundo lugar, Deus manifesta a sua glória com aparições.

Neste sentido, Moisés pede ao Senhor que o deixe ver a Sua glória (cf. Êx 33,18).

E Deus respondeu: “Vou fazer passar diante de ti todo o meu esplendor, e pronunciarei diante de ti o nome de Javé. Dou a minha graça a quem quero, e uso de misericórdia com quem me apraz. Mas, ajuntou o Senhor, não poderás ver a minha face, pois o homem não me poderia ver e continuar a viver” (Êx 33, 19-20).

Ele apareceu como uma luz muito intensa como podemos compreender pelo que lemos mais adiante: “Descendo do monte, Moisés não sabia que a pele de seu rosto se tornara brilhante, durante a sua conversa com o Senhor ” (Êx 34,29) “se revestiu de tal glória que os filhos de Israel não podiam fitar os olhos no rosto de Moisés (II Cor 3,7).

6. Do mesmo modo, a glória do Senhor apareceu como fogo e como uma nuvem: “e a glória do Senhor repousou sobre o monte Sinai, que ficou envolvido na nuvem durante seis dias. No sétimo dia, o Senhor chamou Moisés do seio da nuvem. Aos olhos dos israelitas a glória do Senhor tinha o aspecto de um fogo consumidor sobre o cume do monte” (Êx 24, 16-17).

Esta mesma nuvem, símbolo da glória e da presença de Deus, encherá mais tarde o templo: “Quando os sacerdotes saíram do lugar santo, a nuvem encheu o templo do Senhor, de modo tal que os sacerdotes não puderam ali ficar para exercer as funções de seu ministério; porque a glória do Senhor enchia o templo do Senhor. Então disse Salomão: O Senhor declarou que habitaria na obscuridade” (I Re [III Re] 8, 10-12).

7. Portanto, como vês, estas não são aparições como as de Jesus após a Ressurreição.

Muito menos como as de Nossa Senhora em Lourdes ou Fátima.

Com o desejo de que possas experimentar a glória do Senhor na vida presente (as Suas obras maravilhosas) e vê-la naquela futura, lembro-te  em oração e te abençoo.

Padre Angelo