Questo articolo è disponibile anche in: Italiano Espanhol Francês Alemão Português

Boa noite padre,

tenho uma dúvida na qual venho pensando há algum tempo.

Estou casado no civil há 17 anos. Já faz alguns anos que nosso casamento praticamente acabou, mas para o bem dos filhos vivemos uma relação de convivência respeitosa e abstinência total das relações normais do casamento.

Agora, porém, sentindo a necessidade de me reconciliar com Deus, percebo que quebrei as leis de Deus e não querendo perseverar no erro, me pergunto se posso me aproximar novamente da fé e receber os sacramentos, ou seja, a confissão e comunhão e ter esperança de ser perdoado.

Obrigado pela sua resposta que espero me ajude a entender qual é o caminho a percorrer.

Marco


Querido Marco,

1. o bem dos filhos é tão grande que merece o sacrifício que você está fazendo, sobretudo porque você fala de “convivência respeitosa”.

No passado na teologia moral se ensinava que se a coabitação em casa fosse “cum contumelia Creatoris”, ou seja, constituía uma ofensa contínua a Deus pelas brigas desenfreadas, pelo desprezo mútuo e pelo escândalo dado aos filhos, a separação era lícita .

Mas isso não acontece no seu caso, graças a Deus.

2. Você me diz que agora sente “a necessidade de se reconciliar com Deus”.

Para dizer a verdade, é o Senhor que há muito tempo pressiona porque deseja que você viva plenamente a sua vida cristã, porque é Ele quem “opera em vós tanto o querer quanto o realizar, de acordo com a boa vontade dele” ( Fp 2, 13).

O Senhor há muito tempo espera por ti para abraçar-te e saciar-te com a abundância dos bens da sua casa (cf. Sal 36,9).

Há muito tempo espera dar ao Céu a satisfação do seu retorno, porque nos garantiu que “haverá mais alegria no céu por um pecador que se arrepende, do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento”(Lc 15,7). 

3. A sua volta é sincera e não pede meias medidas, até porque vive de uma forma perfeitamente casta, isto é, com “abstinência total das relações normais do casamento”.

4. Portanto, você pode receber imediatamente a confissão e depois a Sagrada Comunhão com a única atenção de não gerar confusão nos outros fiéis se eles souberem que você é casado apenas civilmente. Portanto, ou você mantém seu casamento civil incógnito na frente dos outros ou recebe a Sagrada Comunhão onde não é reconhecido como casado apenas civilmente.

5. Seu retorno não apenas à fé, mas a uma prática religiosa convicta, será um grande testemunho que você dará a Deus na frente de seus filhos. Sem dúvida, este é um dos bens mais preciosos que você pode dar àqueles que você gerou para a vida eterna.

6. Também não está excluído que seu casamento possa ser revitalizado no futuro. A “coexistência respeitosa”, que mesmo na abstinência é feita de ajuda mútua, pode ser aperfeiçoada pela graça do sacramento do matrimônio. Esta também seria uma graça inestimável. E com os fatos você poderá dizer aos seus filhos que por causa de pouca ou nenhuma fé você cometeu um erro no tempo devido, mas então você entendeu e se colocou de volta nos caminhos de Deus. E dessa forma você deseja de todo o coração que eles sempre perseverem até o fim.

7. Te aconselho rezar o Santo Rosário, para que Nossa Senhora te obtenha um feliz retorno a Deus na confissão e na Sagrada Comunhão.

De longe, fico feliz em ajudá-lo com minha oração que farei com o maior prazer também para todos os seus familiares. Eu te abençoo e desejo-te tudo de bom.

Padre Angelo