Questo articolo è disponibile anche in: Português Italiano

Pergunta

Prezado Padre Angelo,

meu nome é Francesco e sou um jovem de 21 anos. Ultimamente estou passando por um período da minha vida no qual me aproximei muito do Senhor e reavaliei a minha Fé, tornando-a mais sólida e autêntica. Ao mesmo tempo, muitas vezes me ponho várias perguntas e tem uma em particular para a qual não consigo encontrar uma resposta.

Na oração que Jesus nos ensinou recitamos “Pai Nosso que estais no céu”, na Bíblia encontramos muitas vezes a expressão “Deus que está nos céus” ou “O Pai que está nos céus” e no Credo, a respeito de Jesus, recitamos “subiu aos céus e está sentado à direita de Deus Pai”… a esse respeito me pergunto: Deus vive em um lugar específico?

O céu indica um lugar remoto onde Deus estabeleceu Sua morada ou Ele, não possuindo um corpo, não vive em um lugar físico e, portanto, o céu é simplesmente uma metáfora, já que o espaço pertence apenas à nossa mente e não a Deus?

Já que Deus não possui um corpo, como se enquadra o fato de que Jesus Cristo foi levado para o céu de corpo e alma? É verdade que Ele tem um corpo espiritual? Onde Jesus mora?

E Maria? Ela também foi assumida no céu de corpo e alma … ela vive em um espaço físico?

E o que dizer dos Santos?

Agradeço antecipadamente a sua resposta.

Que o Senhor o abençoe.

Cordiais cumprimentos,

Francesco


Resposta do sacerdote

Prezado Francesco,

1. No Catecismo de Pio X, à pergunta “onde está Deus?” lemos esta resposta: Deus está no céu, na terra, em todos os lugares, Ele é o Imenso.

2. Os antigos pagãos pensavam que os deuses (como os de Homero) habitavam no Olimpo e que de vez em quando desciam à terra.

Os mais sábios entre os pagãos, como Platão, pensavam que Deus estava na extremidade do mundo inteligível. Não neste mundo, portanto, mas acima do hyperuranium (o mundo das ideias).

Aristóteles, que definia Deus como Ato Puro, dizia que Deus estava na última esfera celestial.

Em qualquer caso, Deus sempre era localizado, ou seja, habitava em um determinado lugar.

3. Na Sagrada Escritura, Deus não está vinculado a nenhum lugar.

Pelo contrário, Ele é o Senhor de todos os lugares e em todos os lugares que Ele trabalha. Assim, da Mesopotâmia e da terra dos caldeus, Ele chama Abraão. Ele o protege no Egito.

Ele também trabalha no Egito na época da escravidão, permitindo que o Faraó endureça seu coração e realiza maravilhas.

Depois conduz Seu povo através do deserto até a terra prometida.

O poder de Deus não está limitado à Palestina.

Deus que se revela nas Sagradas Escrituras não é um Deus local como os deuses pagãos.

No livro de Provérbios, lemos: “Em todo o lugar estão os olhos do Senhor, observando os maus e os bons” (Prov 15,3).

E, em Jeremias, lemos: “Porventura eu sou Deus apenas quando estou perto? – oráculo do Senhor. Não o sou também quando de longe? Poderá um homem se ocultar de tal modo que eu o não veja? – oráculo do Senhor. Porventura não enche minha presença o céu e a terra? – oráculo do Senhor” (Jer 23, 23-24).

4. Ele está sempre perto de nós e pode nos dar a Sua ajuda: “Se tiveres de atravessar a água, estarei contigo. E os rios não te submergirão; se caminhares pelo fogo, não te queimarás, e a chama não te consumirá. Pois eu sou o Senhor, teu Deus, o Santo de Israel, teu salvador” (Is 43,2-3).

Em nenhum lugar o homem pode escapar da presença de Deus: “Para onde irei, longe de vosso Espírito? Para onde fugir, apartado de vosso olhar? Se subir até os céus, ali estareis; se descer à região dos mortos, lá vos encontrareis também. Se tomar as asas da aurora, se me fixar nos confins do mar, é ainda vossa mão que lá me levará, e vossa destra que me sustentará. Se eu dissesse: «Pelo menos as trevas me ocultarão, e a noite, como se fora luz, me há de envolver». As próprias trevas não são escuras para vós, a noite vos é transparente como o dia e a escuridão, clara como a luz” (Sal 138[139],7-12).

São Paulo diz muito claramente: “O Deus, que fez o mundo e tudo o que nele há, é o Senhor do céu e da terra, e não habita em templos feitos por mãos humanas” (At 17,24).

5. Isto é também o que pensavam os antigos autores cristãos, entre eles os santos Padres: “É próprio do verdadeiro Deus não só estar em toda parte, mas também ver tudo e ouvir tudo, sem ser localizado; caso contrário, o espaço que contém seria maior do que Ele…

Deus não é circunscrito por nenhum lugar, mas Ele mesmo é o lugar (contém) de todas as coisas” (São Teófilo de Antioquia, Ad Autolico, 2,3).

Segundo Santo Atanásio: “Deus contém todas as coisas, mas no entanto Ele não está contido por nada: Ele está em todas as coisas por Sua bondade e por Seu poder; porém, Ele está fora e acima de todas as coisas por Sua natureza” (De decretis nicaenae synodi 11).

S. Ambrósio: “Deus penetra todas as coisas, mas não é penetrado por nada; em todos os lugares Ele está totalmente presente: no céu, na terra, nas profundezas do mar” (De Fide ad Gratianum, 1, 16, 106).

São Tomás: “Deus está em todas as coisas por Seu poder, porque todos estão sujeitos ao Seu poder; Ele está lá por Sua presença, porque tudo é revelado e como que despido diante de Seus olhos; Ele está lá por Sua essência, porque Ele está presente em todas as coisas como a causa universal do ser” (Suma Teológica, I, 8, 3).

Ao mesmo tempo, Ele não se funde com nada ou ninguém (isto seria panteísmo), mas os transcende.

6. Portanto, Deus não está no além, entendido como um lugar, como queriam os grandes filósofos pagãos mencionados acima.

Nem se mistura com todas as coisas, como querem os panteístas.

Deus, com certeza, é imanente ao mundo, porque lhe dá tudo o que existe. Mas, ao mesmo tempo, Ele o transcende infinitamente.

7. No Antigo Testamento, a palavra “céu” tem um triplo significado:

1. o céu estrelado;

2. A morada de Deus;

3. O lugar da felicidade eterna dos filhos de Deus.

Esse último significado também é frequentemente encontrado no Novo Testamento.

8. Entretanto, outras expressões também são usadas no Antigo Testamento: “Mas as almas dos justos estão na mão de Deus” (Sab 3,1), “estão na paz” (Sab 3,3), “o Senhor reinará sobre eles para sempre” (Sab 3,8).

“Mas os justos viverão eternamente; sua recompensa está no Senhor, e o Altíssimo cuidará deles. Por isso, receberão a régia coroa de glória, e o diadema da beleza da mão do Senhor, porque os cobrirá com sua direita, e os protegerá com seu braço” (Sab 5,15-16).

9. A expressão “que estais nos céus” aplicada ao Pai Nosso não deve ser entendida num sentido material.

Eis o que diz São Tomás: «A expressão “que estais no céu” também alude ao poder especial d’Aquele que nos ouve”.

Nesse sentido, a palavra “céu” indica o céu material, não para dizer que Deus está contido nele, tendo sido escrito d’Ele que “o céu e o céu dos céus não vos podem conter” (I Re 8,27); mas para significar que Deus é perspicaz em Seu olhar, porque Ele vê do alto, como diz o salmista: “quando ele aceitar a oração dos desvalidos e não mais rejeitar as suas súplicas … porque o Senhor olhou do alto de seu santuário, do céu ele contemplou a terra” (Sal 101[102],18.20);

Ele é sublime no Seu poder, pois “Nos céus estabeleceu o Senhor o seu trono, e o seu império se estende sobre o universo” (Sal 102[103],19);

Ele é estável na Sua eternidade, porque o salmista diz d’Ele: “vós cujos anos são eternos … vossos anos não têm fim” (Sal 101[102],25.28).

E de Cristo é dito: “seu trono terá a duração do céu” (Sal 88[89],30)» (Comentário al Pater).

10. A expressão “sentado à direita de Deus Pai ” significa que Cristo, como homem, exerce o infinito poder de Deus sobre o mundo.

11. Além disso, o corpo do Cristo ressuscitado não é um corpo material e, portanto, circunscrito em um determinado lugar, mas é glorioso e espiritual. Não está, portanto, circunscrito pelo espaço.

Jesus ressuscitado, como homem, habita em Deus.

O mesmo deve ser dito da Santíssima Virgem, cujo corpo é igualmente glorioso e espiritual.

O mesmo deve ser dito dos santos que atualmente estão no Paraíso somente com suas almas, que são espirituais.

Um dos textos mais eloquentes das Escrituras a esse respeito é a Primeira Epístola aos Coríntios: “semeado corpo animal, ressuscita corpo espiritual (…) Qual o homem terreno, tais os homens terrenos; e qual o homem celestial, tais os homens celestiais. Assim como reproduzi­mos em nós as feições do homem terreno, precisamos reproduzir as feições do homem celestial. O que afirmo, irmãos, é que nem a carne nem o sangue podem participar do Reino de Deus; e que a corrupção não participará da incor­rup­tibilidade” (I Cor 15,44.48-50).

12. Em conclusão, o Paraíso, mais do que um lugar, é um estado em que se está perfeitamente unido a Deus.

Uma pessoa está equipada para a união com Deus através do lumen gloriae, o que nos torna aptos a ver Deus, ou melhor, a desfrutar de Deus e a viver eternamente em perfeita comunhão de vida com Ele.

No Dictionaire de Théologie catholique (XIII.1331), lemos: “Em nenhuma das definições da Igreja referente a céu, purgatório e inferno pode ser encontrada qualquer alusão a um lugar. É suficiente lembrar que Deus está fora do espaço e do tempo e que quem entra no Paraíso entra em Deus”.

Agradeço-te pela pergunta, lembro-te ao Senhor e te abençoo.

Padre Angelo