Questo articolo è disponibile in: Italiano Inglês Francês Alemão Português

Caro Padre Angelo,

Estou lendo/aprofundando a primeira leitura de hoje. 

Números 20, o pecado de Moisés e Aarão. 

Estou tentando entender qual o erro de Moisés. 

De acordo com a tradição rabínica, Moisés teria cometido 13 pecados.

Descobri que seus pecados são: falta de fé e raiva (ele bate na rocha duas vezes, ao invés de falar o versículo 11); orgulho (coloca Aarão e si mesmo diante de Deus, versículo 10).

Porém, é uma passagem muito enigmática e honestamente a reação de Deus (não entrar na Terra Prometida) me parece excessivamente severa. Afinal, Moisés, com todas as suas limitações humanas (um povo inquieto, o cansaço físico e psicológico do deserto), faz a vontade de Deus e sacia a sede de seu povo.

Peço sua opinião sobre esta passagem.

Agradeço antecipadamente.

Saudações cordiais, sempre unidos em oração.

Francesco


Resposta do sacerdote

Caro Francesco,

1. O evento narrado ocorreu no primeiro mês do quadragésimo ano após deixar o Egito. As pessoas estavam no Deserto do Sinai junto ao Mar Vermelho.

Um novo protesto e rebelião contra Moisés e Aarão estava ocorrendo.

As pessoas diziam: “Por que conduziste a assembleia do Senhor a este deserto, para nos deixar morrer aqui com os nossos rebanhos? Por que nos fizeste sair do Egito e nos trouxeste a este péssimo lugar, em que não se pode semear, e onde não há figueira, nem vinha, nem romãzeira, e tampouco há água para beber?” (Números 20,4-5).

2. Moisés e Aarão entraram na tenda para suplicar ao Senhor e a resposta foi que ele deveria bater com a sua vara na rocha.

“Em seguida, tendo Moisés e Aarão convocado a assembleia diante do rochedo, disse-lhes Moisés: <<Ouvi, rebeldes: Acaso faremos nós brotar água deste rochedo?>>

Moisés levantou a mão e feriu o rochedo com a sua vara duas vezes; as águas jorraram em abundância, de sorte que beberam, o povo e os animais.

Em seguida, disse o Senhor a Moisés e Aarão: <<Porque faltastes à confiança em mim para fazer brilhar a minha santidade aos olhos dos israelitas, não introduzireis esta assembleia na terra que lhe destino>>”. (Números, 20, 10-12).

3. Segundo alguns estudiosos da Bíblia, Moisés certamente não duvidou do poder de Deus e de sua promessa, mas diante de contínuas ingratidões, rebeliões e desvios por parte do povo, talvez ele pensasse que a promessa dependia de um sinal de conversão.

De fato, durante a longa peregrinação no deserto do Sinai, o povo havia negligenciado a circuncisão que então era realizada sob o comando de Josué, no livro do qual lemos: “A causa dessa circuncisão é a seguinte: todos os varões dentre o povo que tinha saído do Egito – todos os homens de guerra – tinham morrido pelo caminho, no deserto, depois que haviam partido do Egito. Ora, todos eles tinham sido circuncidados. A multidão, porém, nascida no deserto durante a viagem depois do êxodo, não o tinha sido.” (Josué 5,4-5).

4. Não só isso, mas o povo se negou a oferecer sacrifícios, de modo que Deus mais tarde se lamentou com Amós: “Porventura oferecestes-me sacrifícios e oblações, casa de Israel, no deserto, durante quarenta anos?” (Amós 5,25).

Além disso, caiu também na idolatria: “Levastes, sim, o tabernáculo de Sacut, vosso rei, e Caivã, a estrela de vosso deus, ídolos que fabricastes” (Amós 5,26).

Santo Estevão, no seu grande discurso, recorda tudo isto e diz: “Porventura, casa de Israel, vós me oferecestes vítimas e sacrifícios por quarenta anos no deserto? 

Aceitastes a tenda de Moloc e a estrela do vosso deus Renfão, figuras que vós fizestes para adorá-las!”(At 7,42-43).

5. E isto, apesar de o Senhor suprir diariamente as necessidades do povo com maná: 

“Lembra-te de todo o caminho por onde o Senhor te conduziu durante esses quarenta anos no deserto, para humilhar-te e provar-te, e para conhecer os sentimentos de teu coração, e saber se observarias ou não os seus mandamentos.

Humilhou-te com a fome; deu-te por sustento o maná, que não conhecias nem tinham conhecido os teus pais, para ensinar-te que o homem não vive só de pão, mas de tudo o que sai da boca do Senhor.” (Dt 8,2-3).

6. Por que a Moisés e a Araão foi negado de entrarem na terra prometida?

Porque duvidaram.

Esta é a motivação que emerge diretamente do texto sagrado: 

“Porque faltastes à confiança em mim (…) não introduzireis esta assembleia na terra que lhe destino>>”. 

Não encontro outras, como por exemplo aquelas que você mencionou.

7. Não está excluído que Deus quis purificar ainda mais estes dois grandes servos seus, que levaram sobre si os pecados do povo (não podemos esquecer que Moisés se ofereceu pelo povo!).

Tampouco está excluído que o Senhor quisesse que com o sofrimento de ser privado da alegria de entrar na terra prometida fossem a seu modo os precursores do Messias que, com sua paixão e morte, quis merecer que entrássemos na verdadeira terra prometida, no Paraíso.

Desejo-lhe todo bem, lembro-lhe ao Senhor e te abençoo.

Padre Angelo